Skip to content

OS SEGREDOS DE UMA BOA TELECONSULTA

Através da Resolução nº 2.227/18, o Conselho Federal de Medicina reconhece a teleconsulta como um atendimento médico remoto, consensual, mediado por tecnologias, e que deve respeitar uma série de requisitos que garantam a ética, transparência e segurança de todos.
Apesar de ser aplicada há muitos anos ao redor do mundo, essa prática ganhou uma notoriedade maior durante a pandemia do novo coronavírus em 2020, quando a população foi encorajada a passar o máximo de tempo possível em casa e evitar os hospitais.

Como você já sabe, o AnClinic é comprometido em oferecer recursos que aumentem a sua produtividade, além de beneficiar uma melhor experiência de atendimento e relacionamento com o paciente. Pensando nisso, separamos alguns pontos que merecem a sua atenção na hora de implantar a teleconsulta na sua clínica.

QUAIS CUIDADOS VOCÊ DEVE TER?

– Priorize uma ferramenta de fácil usabilidade para você e seu paciente;
– Certifique-se de que a plataforma tenha bons recursos de áudio e vídeo, e que seu computador seja adequado para atender às especificações técnicas;
– Garanta que ela também obedeça às normas de integridade, segurança, privacidade e sigilo profissional definidas pelo CFM;
– Dê sequência ao atendimento somente se houver o consentimento formalizado pelo paciente. Isso pode ser feito por meio de um termo dentro da própria ferramenta;
– Tenha acesso a um prontuário eletrônico que armazene e transmita, com segurança, as informações sobre a saúde do paciente;
– Na hora de prescrever um tratamento, lembre-se que ele precisa conter a identificação do médico (nome, CRM e endereço), identificação do paciente, registro de data e hora, e assinatura digital com comprovação científica.

Para evitar qualquer irregularidade, consulte a Resolução nº 2.227/18 do CFM clicando aqui.

COMO ORIENTAR O PACIENTE?

– Uma boa experiência digital começa no primeiro contato. Invista em um sistema de agendamento e confirmação on-line para ganhar tempo, automatizar processos e reduzir o absenteísmo;
– Caso o atendimento seja feito por convênio, certifique-se de que o plano cobre a teleconsulta. Nem sempre o paciente terá essa informação;
– Alinhe os detalhes sobre o pagamento. Se possível, ofereça transações on-line;
– Informe seu cliente sobre a data, horário da consulta e breve tutorial de acesso à ferramenta;
– Mencione os requisitos tecnológicos a serem respeitados, como sistema operacional do computador, celular, conexão estável e bateria suficiente;
– Peça para que o paciente reserve um lugar seguro, privado e tranquilo para a consulta;
– Informe que, mesmo à distância, pode ser necessário aguardar alguns minutos entre uma consulta e a outra.

CONTE COM O ANCLINIC

Já pensou em acessar todos esses recursos em uma única ferramenta e com o melhor custo-benefício do mercado? FAÇA UM TESTE GRATUITO e conheça tudo que o AnClinic tem para te oferecer.


Postagens Relacionadas
imagem blog

O que a minha clínica precisa para começar a usar a telemedicina?

Economia, agilidade e modernização: estes são alguns dos benefícios que a telemedicina pode trazer para a sua clínica. O recurso permite a expansão dos atendimentos, o aumento das especialidades clínicas
imagem blog

Você sabia que agendamentos on-line são MENOS cancelados?

O cancelamento de consultas é uma das principais preocupações dos médicos e serviços de saúde. Mas, o que poucas pessoas sabem é que essa dor de cabeça pode ser evitada!
imagem blog

Com a telemedicina, a oftalmologia fica mais acessível

A oftalmologia é uma das especialidades médicas mais procuradas pelos brasileiros quando o objetivo é fazer consultas de acompanhamento e exames de rotina. E existe uma explicação pra isso! A

1 Comment


Adicionar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.